Prefeitura do Município de Laranjal Paulista

Notícias
22/05/2019
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter

Secretaria da Saúde intensifica ações de combate à Dengue

A Secretaria Municipal de Saúde de Laranjal Paulista continua intensificando as ações de combate à dengue no município. Apesar do tempo mais frio e praticamente sem chuvas, típico de outono quando a transmissão da doença costuma regredir, o número de casos no estado de São Paulo continua a preocupar as autoridades sanitárias. Só em 2019, mais precisamente até o último 25 de abril, 52 mil pessoas contraíram a doença em todo território paulista.
Na cidade, a situação segue controlada, com sete casos, sendo seis importados.

Há porém um dado que preocupa: a quantidade de focos e larvas encontrados nas residências ainda é muito alta, fato que exige vigilância permanente e cuidado redobrado. Justamente, por isso, a Equipe de Agentes de Endemias vem desenvolvendo um trabalho rigoroso, casa a casa, orientando os moradores, verificando quintais, distribuindo material informativo e aplicando larvicida nos focos encontrados.

A secretária municipal de Saúde, Maria Marlene Gazonato, alerta porém que só o trabalho dos agentes não basta, é necessária a conscientização e a participação efetiva da população. “Os focos encontrados são muitos. Significa que muita gente ainda está se descuidando de seus quintais, e deixando latas, garrafas, vasos, utensílios, pneus, enfim, uma infinidade de objetos que acumulam água e contribuem seriamente para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, colocando em risco a saúde dos seus familiares, de seus vizinhos e de toda cidade”, argumentou.

Além da limpeza dos quintais, a secretária de Saúde solicita ainda à população que, aqueles que passarem por médicos particulares ou de convênios médicos, da cidade ou da região, e que receberem diagnóstico de suspeita de dengue, informe imediatamente à Vigilância Epidemiológica, pois em casos de suspeita, os agentes de endemias devem fazer o bloqueio da área de residência do paciente, com o devido controle dos criadouros do mosquito, visando o controle da transmissão. “Essa é uma atividade prioritária que deve ser realizada com a maior rapidez possível. A Vigilância Epidemiológica precisa ser informada sobre todos os casos suspeitos”, explicou Gazonato, que finaliza: “Toda a população deve estar em estado de alerta e fazer a sua parte, deixando nossa cidade livre de uma epidemia. É preciso que todos estejam muito conscientes”.
Vale lembrar ainda que o Aedes aegypti transmite também outras doenças igualmente perigosas como a chikungunya, zikavírus e febre amarela