Prefeitura do Município de Laranjal Paulista

Notícias
24/04/2019
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter

Presidente da Cetesb recebe Dr. Alcides para reunião sobre a água de Laranjal Paulista

Mais uma reunião foi realizada esta semana para tentar solucionar um problema que preocupa e incomoda a população: o odor de azeite presente na água distribuída pela Sabesp às residências de Laranjal Paulista. O assunto foi debatido na Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), com a diretora-presidente Patrícia Iglecias. 

Além de Dr. Alcides, participaram da reunião: o vice-prefeito Air Pires de Campos, representantes da Sabesp, o gerente divisional Sandro Henrique Brambila, a gerente de controle de sanitário, superintendente Maurício Tápia, e o prefeito de Cerquilho, Aldo Sanson, já que o município vizinho também sofre com o mesmo problema do cheiro na água. A hipótese mais provável é que alguma empresa esteja descartando de maneira irregular óleo no Rio Sorocaba, fora dos limites das duas cidades. Nos oito pontos de monitoramento e captação ao longo do rio, nota-se a presença do mesmo odor. 
Ao final das tratativas duas boas notícias para os laranjalenses. A primeira: a Cetesb mais uma vez atestou a qualidade da água servida à população. Apesar do odor, não há nenhum indício de contaminação. Segundo as rigorosas análises realizadas pela Companhia, a água é potável e própria para o consumo. Segunda: foram intensificadas as vistorias e as inspeções no Rio Sorocaba para tentar identificar a origem do problema. 

Apesar dos avanços, o prefeito de Laranjal Paulista voltou a cobrar uma solução definitiva das autoridades. “É preciso equacionar esse problema. A informação de que a água é própria para o consumo e está sem contaminação é importante, porém o odor continua e incomoda a todos nós. Vamos seguir trabalhando, promovendo encontros, fazendo reuniões, cobrando e levando a voz dos laranjalenses às diversas instâncias governamentais, companhias e autarquias responsáveis, para que consigamos resolver definitivamente essa questão”, finalizou Dr. Alcides.